Actividade

Japoneses detêm 40% das Águas de Alenquer

Segundo notícia do Jornal Económico de ontem, 30 de Junho, os «estrangeiros controlam o sector privado da água em Portugal. Dos sete maiores grupos privados do sector, apenas um é controlado exclusivamente por empresas portuguesas: a Aquapor, dos grupos de origem bracarense DST, ABB e Bragaparques».

Essa mesma Aquapor detém 40% da Águas de Alenquer, a empresa que distribui a água no concelho, mas outros 40% são detidos pela AGS, «que já foi detida pela Somague (que também já foi portuguesa, estando hoje no perímetro do grupo espanhol Sacyr). Hoje em dia a AGS é gerida pelo grupo japonês Marubeni, que domina 50% do respectivo capital, estando a outra metade sob controlo de outro grupo nipónico, o INCJ».

Os restantes 20% da Águas de Alenquer são detidos pela Ecobrejo, da Construções Pragosa.

Outros grandes detentores de concessões de água em Portugal, escreve ainda o Jornal Económico, são os israelitas da Myia e o fundo de investimento alemão Talanx, que detêm a Indáqua; a holding público-privada chinesa Beijing Entreprises Water [que em parte é detida pela Câmara de Pequim]; o grupo espanhol Sacyr Vallermoso, que mesmo depois da venda da AGS, ainda detém concessões em Portugal;  e outro grupo espanhol, o FCC – Fomento de Contratas y Construcciones, que detém a Aqualia.

Estes grupos detêm 28 concessões em todo o país e abastecem quase 2 milhões de portugueses. «No ano passado, as sete maiores concessionárias privadas de abastecimento de águas ao domicílio em Portugal faturaram, em conjunto, mais de 216 milhões de euros».

Picture1